O GESP (Gestão Eletrônica da Segurança Privada) é um sistema desenvolvido pela Polícia Federal para controle das empresas de segurança privada estabelecidas no Brasil, incluindo os cursos de formação de vigilantes.

Através do GESP é feita a gestão eletrônica de todos os dados da segurança privada, desde a solicitação de autorização para funcionamento e revisão de autorização para funcionamento, a aquisição de armas e munições, de coletes, a vistoria de veículos blindados, até o processamento de autuações e multas, defesas e recursos relacionados à Lei no 7.102/83 e à Portaria DPF 3.233/2012.

Vantagens

No ambiente digital, o GESP confere maior rapidez, segurança e sigilo no processamento de informações, já que possui certificação digital.

Através do sistema é possível identificar, analisar e avaliar todo o sistema de segurança de uma empresa, os riscos de multas e de outras sanções por irregularidades que estejam ocorrendo nos processos internos, prevenindo gastos e prejuízos.

A quem se aplica?

O GESP já é obrigatório para as empresas de segurança privada que atuam na vigilância patrimonial, segurança pessoal, escolta armada e transporte de valores, e para as escolas de formação de vigilantes.

O GESP também se aplica às instituições financeiras, que devem aprovar e manter aprovado o plano de segurança de cada agência bancária no Brasil, com todos os requisitos exigidos pela Lei no 7.102/83 e pela Portaria DPF 3.233/2012.
Há um projeto de lei no Senado, já aprovado na Câmara dos Deputados (PLC nº 4.238-A/2012), que revoga a legislação atual e aprova um novo e completo Estatuto da Segurança Privada e das Instituições Financeiras.

Esse projeto altera substancialmente o cenário atual, permite que a segurança privada atue nos transportes coletivos terrestres, aquaviários e marítimos, nas muralhas e guaritas de estabelecimentos prisionais, em unidades de conservação, além de incluir na segurança privada e sob a fiscalização da Polícia Federal os serviços de monitoramento de sistemas eletrônicos de segurança e rastreamento de numerário, bens e valores, e as empresas de gerenciamento de riscos.

Além disso, aumenta consideravelmente as obrigações das empresas já existentes e o valor das multas é triplicado.

Por isso, é importante o mercado se preparar para o que está por vir.

Processos

Podemos citar alguns exemplos de processos que são facilitados pelo GESP:

  • Solicitação para aquisição de coletes balísticos;
  • Comunicação de ocorrências com armas, munição e coletes;
  • Solicitação da Carteira Nacional do Vigilante;
  • Autorização para a aquisição de armas e munições;
  • Revisão anual do alvará de autorização da sede e das filiais.

Entre outros.

Evite multas e sanções

Um dos problemas enfrentados pelas empresas de segurança privada em território nacional são o volume de punições aplicadas pelo descumprimento das regras impostas para esse tipo de negócio. Regras essas que muitas vezes são desconhecidas ou negligenciadas pelas empresas.

Por isso o Escritório Copello Gomes desenvolveu um método de avaliação do GESP.

Conceito

Método de auditoria da Empresa de Segurança Privada ou Instituição Financeira via GESP.

Objetivo

Avaliar o grau de segurança da organização no Sistema GESP (Empresa ou Instituição Financeira, com o objetivo de identificar riscos e prevenir multas).

O Método consiste em 4 passos.

Método CGesp

O método foi desenvolvido de acordo com a ABNT NBR ISO 31000:2009.

Benefícios
  • Conhecer a organização da Empresa ou Instituição Financeira;
  • Identificar, analisar e avaliar os riscos de multa e outras sanções;
  • Reduzir e controlar as funções dos funcionários ligados ao GESP;
  • Gerar Segurança para a organização.

Receba gratuitamente uma avaliação do grau de segurança de sua organização no sistema GESP.